" Em verdade vos digo :
Seja a Alma grande ou pequena,
escute meu amigo!
Nem tudo vale a pena!"

(zé)

Carta (Dia 23 de Maio,Outono,Lua cheia,2008)

(Carta escrita para um velho amor não-correspondido)


Decorei tua boca...
Decorei a forma dela, as curvas...
O modo como ela fica quando
Você está pensando... Semi-aberta... Com os dentes a mostra
Decorei tuas falas, decorei teu modo de andar... Decorei teu olhar desconfiado, olhando pra mim... escutando...
Decorei tua risada...
Tem uma foto tua no meu quardo...
Você olhandopra mim...
Até eu pegar no sono...
Decorei teu sono, teus sonhos...
Decorei poemas que me lembram você
Decorei tua fita no cabelo... Decorei teu soriso... Ah o teu soriso! Olhou pra mim, numa tarde de Outono... E riu... Satisfeita... Foi aí que eu percebi que era preciso te decorar... te gravar em mim
Foi aí que percebi que você era meu minotauro... Me perdi no teu labirinto... Minha Quimera... Quimera... Quem dera!
Repito sempre... Tento enterrar minha esperança no jardim
Mas quando o trabalho está terminado, nascem lírios da cova... Malditos sejam todos os lírios!
Malditos sejam os dias de sol!
Malditos sejam os sete mares!
Quimera... Sonho... Devaneio... Fantasio nossa vida juntos... É cruel... Cruel é dizer que me ama... E me ama... Será?
Te amo de todas as formas... Te desejo... Se você soubesse o inferno que vivo... Inferno que vivo do teu lado... Um inferno com um gosto doce de Halls de uva-verde... Com sons da Lapa... Um inferno com o clima do Arpoador... Um inferno com tardes incríveis e sols nascentes apoteóticos... Nasce o dia do teu lado da Kombi... Te vejo dormir... Te toco sem saber
Quimera... Me vem na cabeça... Quimera! Quimera! Acorda,homem!
Ela não! Ela nunca! Nunca... Nunca? Será? Sim... Será,sim! Uma vertigem... Caio no braços de outra qualquer... Bêbado... Chamo... Troco o nome da outra pelo teu... Sempre o teu nome... Te chamo... Amo a outra... Mas te imagino... Não posso! Não devo! Não quero!
Decorei tua cara lavada...Falando dos outros do teu coração...
Vontade de morrer...Vontade de matar todos! Com requintes de crueldade... Vontade de te ver feliz... Seja feliz...
Quimera...
Não! Ela será!
Os braços de outro serão o abrigo dela... E eu... morro... Não tereimais um propósito... Seja feliz... Viva um amor... Serei feliz por você... E morrerei... Como Baudelaire... Na sarjeta sujo com os seus poemas malditos... Mas serei feliz, pois estará feliz...
Decorei a cena... Teu soriso destinado á outro... Meu choro destinado á eternidade... Nós dois destinados a um eterno inferno... Meu inferno é doce...
Quimera... Quimera... Quimera... Quimera...
Jogo o pano... Desisto... Desisto?
Te vejo no cinema às 14:30.

Minha querida Minotauro
Fim...Fim?
quimera...quimera..quimera...

(Gabriel Zé F.)

4 comentários:

CArina CAmila disse...

Acho que já li esse ..

Mas mesmo lendo de novo..
Lindo..

"Queria eu decorar uma forma de sentir tudo tão bem assim...

Decorar um jeito de te ter pra mim.."
Esse me inspirou..=p

Danyel de Argolo Cardoso disse...

Um grito psicodélico de desespero....

Miss Butterfly εїз disse...

Eu toparia !

=]

Ahhh meu querido poeta ...

Lilian C. Pierini disse...

Poxaaa quee cartaa.! Parabéns, qtas coisas lindas o coração pode colar em uma papel, triste saber que não são todos que sabem 'escutar' ou 'ler' este "poema".
:) Parabéns.

Beijo 'poeta'.!=]